top of page
  • Foto do escritorFlavia Vivacqua

Descolonizando o conhecimento na abordagem pós-desenvolvimentistas de Arturo Escobar.


Arturo Escobar é um antropólogo colombiano conhecido por suas contribuições nas áreas de antropologia ambiental, estudos pós-desenvolvimentistas e ecologia política. Ele foi professor de antropologia e ecologia política na Universidade da carolina do Norte em Chapel Hill até 2018 e atualmente está vinculado com os programas de doutorado em Ciencias Ambientais (Universidad del Valle, Cali) e design e criação (Universidad de Caldas, Manizales).

A abordagem de Arturo Escobar é influenciada por perspectivas críticas e interdisciplinares que visam repensar as relações entre sociedade, cultura, natureza e desenvolvimento. Ele questiona as noções tradicionais de desenvolvimento e busca alternativas que levem em consideração a diversidade cultural, a justiça social e a saúde ambiental.

Um dos principais conceitos desenvolvidos por Escobar é o de "territórios de diferença", que enfatiza a importância das perspectivas e conhecimentos locais na compreensão e na gestão dos recursos naturais. Ele argumenta que as comunidades locais têm um papel fundamental na preservação e no manejo sustentável de seus territórios, e que é necessário valorizar e respeitar seus modos de vida e conhecimentos tradicionais.

Além disso, Escobar também aborda questões relacionadas ao colonialismo, ao poder e à desigualdade, analisando como as dinâmicas de poder influenciam os discursos e as práticas de desenvolvimento. Ele critica abordagens que perpetuam relações de dominação e exploração e defende uma abordagem mais inclusiva e participativa, que dê voz às comunidades afetadas pelas políticas desenvolvimentistas.

Escobar também é conhecido por seu trabalho sobre modernidade e tecnologia, explorando as dimensões culturais e políticas das tecnologias e como elas moldam as sociedades contemporâneas. Ele destaca a importância de considerar as perspectivas culturais e os impactos sociais das tecnologias, questionando a ideia de progresso linear e apontando para a diversidade de modos de vida e conhecimentos existentes no mundo.

Escobar se baseia em conceitos como ecologia política, pós-desenvolvimento e estudos pós-coloniais para analisar as interações complexas entre as dimensões sociais, culturais e ambientais da vida humana. Ele busca entender como as estruturas de poder, as desigualdades e as relações de dominação afetam as formas de conhecimento, as práticas de desenvolvimento e as relações entre os diferentes atores sociais.

Uma das principais contribuições de Escobar é a ênfase na valorização dos conhecimentos e práticas locais, enfatizando a importância das perspectivas e saberes das comunidades locais na gestão saudável dos recursos naturais e na construção de alternativas ao modelo dominante de desenvolvimento. Ele destaca a necessidade de reconhecer e respeitar a diversidade cultural e os modos de vida tradicionais, que muitas vezes possuem uma relação mais harmoniosa com o meio ambiente.

Escobar também critica a ideia de progresso linear e unidimensional associada ao desenvolvimento moderno. Para ele, essa visão simplista ignora a complexidade e a diversidade das sociedades e dos sistemas ecológicos, levando a consequências negativas, como a degradação ambiental e a desigualdade social. Em vez disso, ele defende uma abordagem mais pluralista e participativa, que valorize a coexistência de diferentes modos de vida e conhecimentos.

Em resumo, a abordagem de Arturo Escobar é crítica, interdisciplinar e baseada na valorização da diversidade cultural e na busca por alternativas ao modelo hegemônico de desenvolvimento. Sua perspectiva enfatiza a importância das relações entre sociedade, cultura e natureza, bem como a necessidade de considerar as dimensões políticas, sociais e ambientais na busca por um mundo mais justo e saudável.

Principais tópicos na abordagem de Arturo Escobar:

  1. Ecologia Política: analisa as relações entre poder, política e ambiente, destacando como as estruturas de poder influenciam as práticas de uso e gestão dos recursos naturais. Ele examina como as questões ambientais são moldadas por interesses políticos, desigualdades sociais e diferentes formas de conhecimento e cosmovisões.

  2. Pós-Desenvolvimento: questiona o modelo dominante de desenvolvimento econômico baseado no crescimento contínuo e na modernização. Ele argumenta que esse modelo não leva em consideração a diversidade cultural, a sustentabilidade ambiental e as desigualdades sociais. Em vez disso, ele propõe a busca por alternativas ao desenvolvimento convencional, promovendo abordagens mais plurais e participativas que considerem a variedade de modos de vida e conhecimentos existentes.

  3. Estudos Pós-Coloniais: trata-se das questões relacionadas às consequências do colonialismo e às formas de dominação e exploração que persistem nas sociedades contemporâneas. Ele examina como o colonialismo influencia as relações de poder, as estruturas sociais e os discursos dominantes, afetando tanto a vida das pessoas quanto o meio ambiente.

  4. Saberes Locais e Alternativos: valoriza os conhecimentos e práticas locais, reconhecendo sua importância na gestão sustentável dos recursos naturais e na construção de alternativas ao desenvolvimento convencional. Ele destaca a importância de ouvir as vozes das comunidades locais e valorizar suas perspectivas e saberes, em contraposição ao conhecimento ocidental hegemônico.

  5. Diversidade Cultural e Cosmopolíticas: enfatiza a valorização da diversidade cultural e das cosmovisões indígenas e tradicionais. Ele defende uma abordagem cosmopolítica que reconheça e respeite a multiplicidade de formas de vida e conhecimentos, buscando superar o pensamento ocidental dominante e abrir espaço para outras perspectivas e epistemologias.

Esses são alguns dos principais tópicos desenvolvidos por Arturo Escobar em sua obra. Seus escritos têm contribuído para a compreensão crítica dos desafios socioambientais e para a busca de alternativas mais justas e sustentáveis para as sociedades contemporâneas.


Bibliografia:


  • La invención del Tercer Mundo: Construcción y desconstrucción del desarrollo [A invenção do Terceiro Mundo: construção e desconstrução do desenvolvimento] (1995).

  • Otro posible es possible: Caminando hacia las transiciones desde AbyaYala/Latino-America [Outro possível é possível: jornada para as transições a partir da AbyaYala/América Latina] (2018);

  • Designs for the Pluriverse: Radical Interdependence, Autonomy, and the Making of Worlds [Projetos para o pluriverso: interdependência radical, autonomia e construção de mundos] (2017).

28 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page